Follow by Email

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Estrada para Mostardas.
Em janeiro de 2014 eu estava sem muitos planos para minhas férias, quando minha grande amiga Lisiane me ligou e disse, " Dinda, vamos fazer alguma coisa, tenho 10 dias de férias e queria viajar com você". E eu respondi, se topar ir ao Uruguay de moto, posso começar a planejar nossa viagem agora, e a resposta foi rápida! " Topo", disse ela.
Foi então que de posse dos meus mapas comecei a traçar nossa rota, que pretendia seguir na ida pela RS 051, estrada que corta o Rio Grande do Sul até São José do Norte, dando travessia de balsa até a cidade de Rio Grande, quase fronteira do Brasil com Uruguay.
Tudo pronto, partimos, bem cedinho, com ideia de rodar cerca de 800 quilômetros, até cidade praiana de Mostardas, onde passaríamos a noite em um pequeno hotel.
A viagem foi tranquila, com a grande parceria de sempre e com lindas paisagens, principalmente nos últimos quilômetros, que nos deram a sensação de descanso, e de querer andar mais, lembro bem que ao avistar a placa que indicava a distância até Mostardas de apenas 80 Km, pensei, puxa, não acredito que já estamos chegando...
E assim foi, chegamos cedo, o sol ainda estava alto, e para não ir direto ao hotel, que ficava perto da estrada sugeri a Lisi que fossemos ver a praia, pois conforme um morador ficava a apenas 4 km, e fomos, mas ao ver a estrada e senti-la sob minha moto, pensei, isso não vai dar certo, era de areia fofa, quase sem fundo, mas me concentrei, olhei para a frente e fui. Percebi, através dos espelhos. que minha parceira também veio, então foquei na frente e continuei, pensando na merda que havia começado. Duas curvas depois olhei nos espelhos e não a vi, então resolvi parar, foi quando senti a moto de mais de 400 quilos afundar na areia, era quase impossível fazer a volta. Mas eis que vinha tranquilo e calmo e sua XLR 125 um morador, e ao me ver parou para ver se precisava de ajuda, me socorreu e fizemos a volta, duas curvas depois avistei minha amiga, tombada e sem condições de levantar a moto sozinha, parei, desci, levantamos sua moto, pilotei até o asfalto e voltei correndo buscar a minha, que ficou lá abandona por alguns minutos.
Então indaguei o rapaz, me diga, a estrada é toda assim os 4 quilômetros? E ele respondeu, " sim, é toda assim, mas são 16 na verdade, vocês só conseguiriam voltar de guincho".
Puxa vida, como atrapalha uma informação errada!! Concluí.
Fomos ao hotel, descansamos e no outro dia conhecemos a tal praia, linda, deslumbrante, coisa de cinema, na minha opinião.
Um dia voltarei!!
Cruzamos no Chui, algumas horas depois.
Terminamos o dia em Punta Del Diablo, outro lugar indelével, depois de cruzar a Lagoa dos Patos com a balsa, saborear as imagens da Reserva Ecológica do Taim, ver os flamingos, capivaras, descobrir que tinha perdido todo meu dinheiro e ter que trocar de hotel, tudo terminou maravilhosamente bem!!!